Guilherme Augusto Veras with his Fiat Premio

Um sedã premiado e ainda cobiçado após 35 anos


Aos 35 anos, Fiat Prêmio ainda impressiona pelo enorme porta-malas, conforto e robustez, qualidades reconhecidas por público e crítica

26 de março de 2020 - Versão sedã do Fiat Uno? Sim, o Fiat Prêmio é derivado do hatch premiado, mas resumi-lo a isso chega a ser injusto com o carro, que está completando 35 anos de história neste mês de março. Com quase 190 mil unidades produzidas no Polo Automotivo Fiat, em Betim (MG, Brasil) entre 1985 e 1995, o veículo — que também foi feito na Argentina até 2001 com o nome Duna — é referência ainda hoje pelo amplo porta-malas de 530 litros, ótima sensação de dirigir e elevado nível de conforto. Esses atributos renderam prêmios ao Prêmio, como o de “Carro do Ano 1986” pela prestigiada revista Autoesporte.

Refinado e muito bem equipado para a época e seu segmento, o Fiat Prêmio teve motores 1.3, 1.5 e 1.6 ao longo de sua trajetória e inovou ao trazer um equipamento considerado trivial na atualidade, mas que era novidade na década de 1980: o computador de bordo. Nas versões topo de linha, seu quadro de instrumentos indicava até a pressão dos pneus, coisa que muito carro ainda não disponibiliza nos dias de hoje. Isso sem falar no clássico design quadradinho, que continua despertando admiração.

Eduardo Pereira com seu Fiat Prêmio 1989 totalmente originalApaixonado por carros antigos, Eduardo tem em sua coleção um Fiat Prêmio 1989 e uma Fiat Elba 1996. Os próximo planos? Ter outros clássicos da Fiat na garagem.

“O que mais me agrada no Prêmio é a estética. A Fiat tem essa tradição de carros quadradinhos e foi basicamente isso que me fez um fã do carro”, afirma o contador e colecionador de veículos antigos Eduardo Alves Pereira, 46, dono de um Fiat Prêmio 1989 SL 1.3 quatro portas.

Eduardo tem diversos modelos em sua coleção, mas confessa que os veículos da montadora italiana merecem um carinho especial. “Se eu fosse milionário, teria um exemplar de cada antigo da Fiat. Eram os carros que eu mais via na rua quando criança. Por isso, dirigir um desses me faz voltar aos anos 1980 e 1990. É nostálgico, muito bom”, explica.

A busca de Eduardo por um Prêmio em bom estado foi motivada por outro carro da Fiat. “Eu comprei uma Elba 1996 de um amigo e me apaixonei pela perua. Foi aí que pensei: ‘por que não fazer um casal?’ Comecei a procurar e encontrei esse meu Prêmio 1989 totalmente original. Sou o segundo dono, comprovadamente. No documento dele constava placa anterior ainda das amarelas”, destaca, em referência ao padrão mais antigo de placas de registro de veículos do Brasil.

Outro que guarda ótimas lembranças do Fiat Prêmio na infância é o motorista de transporte de carga Guilherme Augusto Veras (foto de capa), de 27 anos. “Meu pai tinha um Prêmio 1988 CS. Eu gostava demais do carro e, quando ele o vendeu, eu chorei muito e disse na ocasião que um dia eu teria um igual. Infelizmente, não encontrei um idêntico ao do meu pai, mas sou completamente apaixonado pelo meu Prêmio S 1.3 1991.”

Para Veras, a robustez do Fiat Prêmio faz dele um veículo de respeito até hoje. “Ele é valente! Já vi pessoas carregando até caixa d’água em um Fiat Prêmio. Tem força e espaço. Ele pode até ser pequeno nas medidas se for comparado aos carros atuais, mas isso também o favorece, pois cabe em vagas apertadas”, elogia.


"Fiat Prêmio Sporting"

E que tal uma paixão atualizada com novas tecnologias? O Fiat Prêmio que o gerente de loja Sérgio Shigueo Ougaki, de 30 anos, ganhou de seu pai foi totalmente personalizado e recebeu inúmeros recursos para ser, na concepção de seu proprietário, o Prêmio que não saiu de linha. “Originalmente, ele era um Prêmio SL 1.6 1991 azul, que na época só tinha alarme e travas automáticas das portas. Hoje, ele tem itens como quadro de instrumentos digital, câmeras para auxílio ao estacionamento, botão de partida do motor, porta-malas que abre sozinho ao passar o pé por baixo do parachoque traseiro e até travamento e abertura das portas por um aplicativo no smartphone”, revela.

Sérgio Ougaki e seu Fiat Prêmio personalizadoApós cinco anos de dedicação, Sérgio finalizou seu “Fiat Prêmio Sporting”, que tem até botão de partida do motor.

Batizado pelo dono de Fiat Prêmio Sporting — nomenclatura usada pela Fiat para as versões de apelo esportivo de modelos como Bravo, Palio e Punto —, o sedã customizado segue a linha dos últimos Fiat Mille na parte externa e tem o interior igual ao do Palio Sporting. “Cinto, bancos, painel... toda a cabine é idêntica à do Palio, e eu fiz praticamente tudo sozinho na garagem de casa. Somente a nova pintura e a instalação de um kit turbo no motor foram feitas em oficina especializada”, detalha Sérgio.

O Prêmio Sporting levou cinco anos para ficar do jeito que Sérgio desejava. “A ideia do projeto surgiu em 2010, quando resolvi dar maior atenção ao carro que eu ganhei do meu pai quando fiz 18 anos. Esse Prêmio, aliás, era dele, então nossa história é bem longa e vendê-lo está fora de cogitação”, enfatiza. Ele usa o carro no dia a dia.

O Fiat Prêmio totalmente original de Eduardo Pereira é outro que não tem qualquer chance de ser vendido. “Não penso em vendê-lo, em primeiro lugar, porque eu adoro o meu sedã. Em segundo, porque seria muito difícil achar outro em tão bom estado. O meu é um quatro portas de grade dianteira alta, bastante raro. Quero, na verdade, é ter outro Prêmio mais antigo, de duas portas e com controles satélite no painel”, revela.

Sucessor do Fiat Oggi, o Prêmio foi exportado para outros países da América Latina (além da Argentina) e até para a Itália, e saiu de linha no Brasil para dar espaço ao Siena, que ainda está no portfólio da Fiat (como Grand Siena). Atualmente, o principal representante da marca no segmento de sedãs é o Fiat Cronos, que preserva as qualidades do veterano Prêmio e avança em tecnologia e estilo, com direito a central multimídia de última geração e até a versão de fábrica com apelo esportivo.


Texto: Leandro Alvares

Fotos: Divulgação / Acervos pessoais

Related Stories

​40 anos de vocação para o trabalho

Read More

"A Fiat faz carros movidos pela paixão e isso é bem evidente no Brava"

Read More